Ingratidão

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×


Fotografia de Gil Coelho

Foi numa manhã de Outono.
Abri as janelas de par-em-par
Ao longe, por entre a neblina
uma onda cinzenta, repleta de pensamentos infelizes,
inesperada
cresceu gigante, pronta para me devorar!
Paralisada, deixei que se abatesse sobre mim!

A ingratidão é assim:
não é previsível, nem avisa ninguém.
Traz com ela a surpresa, o choque e,
sobretudo, a tristeza,
a descrença na bondade humana.

Desistir de acreditar que há gente boa no Mundo?
Jamais!

Depois de um tsunami, a ingratidão esvai-se,
a inveja que a provocou dilui-se
por entre os abraços e as palavras de ternura
daqueles onde a generosidade perdura.

A ingratidão é um teste à nossa capacidade de amar.

Esta entrada foi publicada em Poesias. ligação permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *